20/04/2018 / FONTE: CQCS A Polícia Federal continua realizando operações em diferentes regiões do País tendo como alvo as associações que comercializam irregularmente a proteção veicular. “As pessoas não sabem que é ilegal e são lesadas. É arriscado”, alertou o delegado Emerson Fonseca, em entrevista publicada no Jornal da Métropole, de Salvador (BA), após operação na Associação Brasileira de Benefícios, que, segundo a reportagem, comercializava seguros irregularmente há seis anos na cidade Barreiras, no oeste do estado. De acordo com o relato do jornal, os consumidores que precisavam do “serviço” dessa associação não vinham sendo atendidos. “Com isso, conseguem vender o produto mais em conta”, frisou o policial. Os jornalistas também procuraram o Sincor-BA, cujo presidente, Wanderson Gomes, advertiu a população sobre o “péssimo negócio” feito por quem contrata a proteção veicular. “Você não tem nenhuma garantia que será indenizado quando precisar. No seguro, há tem regras específicas, claras e brevemente estabelecidas. No caso de cooperativa, cada uma tem uma regra própria”, observou Gomes. O presidente do Sincor-BA acrescentou que os problemas vêm acontecendo “com muita frequência” em Salvador. Ainda de acordo com Wanderson Gomes, a eventual economia feita por quem substitui o seguro pela proteção veicular pode gerar dor de cabeça. “Na cooperativa não há regulamentação. Você não tem a quem recorrer, é sócio”, explicou.