Altevir Dias do Prado
Altevir Dias do Prado

* Altevir Dias do Prado

Dias desses, visitando um corretor no Oeste Catarinense, fui indagado com duas perguntas, uma trivial e a outra muito pouco comum:
A primeira delas foi se eu tinha irmãos, respondi que sim, somos em cincos irmãos. A segunda muito incomum, perguntou-me se havia algum dos meus irmãos ou irmãs que não tinham prosperado. Respondi que a definição de prosperidade é relativa, mas que para os padrões conhecidos, sim, nem todos prosperaram de igual forma. Então questionou-me como me sentia diante dessa situação, como era o clima diante de possíveis desigualdades no íntimo de ambiente familiar. Minha reposta foi que obviamente seria mais confortável, seria melhor que todos prosperassem. Então ele me disse, “pois bem, sua casa é o seu mundo. É melhor que todos prosperem”.

Nossa casa nosso mundo

Logicamente a questão levantada ali não era a do bem estar social da igualdade de renda, mas de que para o ambiente dos negócios, para a venda em si é melhor que todos tenham acesso ao consumo. Fiquei dias com esta conversa ressoando em minhas memórias de estudo, revisitei algumas definições de grandes autores que estudei durante a faculdade, mestrado e doutorado em economia e consegui chegar a uma afirmação a esse respeito. Antes da afirmação é preciso lembrar da enorme desigualdade de oportunidade existente em nossa sociedade que é uma das origens da desigualdade social. Sinceramente não penso que devemos promover a igualdade de renda. Mas devemos promover a igualdade de oportunidades, devemos igualar o ponto de partida de todos, dali para frente a desigualdade oriunda do empenho e desempenho individual, continua sendo uma desigualdade mas não uma injustiça. Pois bem, igualar o ponto de partida, dar oportunidades semelhantes a todos significa justiça social, algo muito pouco discutido em nossa sociedade, portanto:
“Se a elite social soubesse o quanto é vantajoso a justiça social, faria a justiça social, não pela justiça social, mas pela vantagem de se ter a justiça social”
De tal sorte que se tivéssemos menos pobres e mais ricos, menos ignorância e mais gente esclarecida, viveríamos em sociedade menos violenta e mais civilizada. Logicamente é melhor viver em uma casa assim. O ganho no mercado segurador, por exemplo, seria geométrico, uma vez que pessoas mais esclarecidas tem maior preocupação com a seguridade e, portanto, consumiriam mais produtos ligados ao seguro de saúde, vida, previdência e patrimônio. Agora imagine só uma sociedade esclarecida e com mais pessoas tendo renda para o consumo, seria um aumento exponencial de vendas de seguro, dado o aumento do poder de compra potencializado pelo aumento de consciência e preocupação com a seguridade.


  • Altevir Dias do Prado é Presidente do Sindseg PR/MS e Superintendente Executivo da Bradesco Seguros na Região Sul. Mestre em Teoria Econômica e Doutor em Desenvolvimento Econômico, é Formado em Filosofia, História e Economia.

Presidente do Sindseg PR/MS e Superintendente Executivo da Bradesco Seguros na Região Sul. Mestre em Teoria Econômica e Doutor em Desenvolvimento Econômico, é Formado em Filosofia, História e Economia.